como quem é vivo sempre aparece…

julho 6, 2011


A Minha Canjica

Faço sempre a receita de canjica da Deia, que é divina (a Deia e a canjica que ela faz, registre-se), mas, como sempre, alguma coisa a gente sempre muda. Então resolvi registrar a minha última canjica, feita no dia 02/07/11.

Deixei o milho de molho de um dia para outro, 250grs, mais ou menos. No dia seguinte, lavei e coloquei na pressão. Cozinhei com a boneca (tipo de pacotinho que faço com gase e linha de costurar) de cravo – 5 apenas – e canela – à vontade -, por uns 40 minutos, depois de pegar fervura. Ficou bem macio, mas acho que podia ter ficado 1h, assim secaria mais a água do cozimento e tornaria o caldo mais grossinho, e o grão amaciaria mais. Coloquei 1 litro de leite de saco tipo A, massssss fiz a besteira de colocar frio – pior, não fervi o dito cujo antes! Glória me disse que eu devo colocar sempre o leite quente na canjica, pois assim não endurece o grão. Não esquecerei da próxima vez. Coloquei 2 caixas de leite condensado Moça pra adoçar. Ficou beeeemmm docinho. Talvez pudesse ter colocado um pouco menos, masss, como sou formiga…Ah sim, coloquei 1 vidro de leite de coco e também um pouquinho de coco ralado. Apesar de tudo, ficou uma delícia e tive que fazer o sacrifício de comer praticamente tudo sozinha, já que o povo desta casa – gente muito estranha, aliás! – não gosta de canjica. Vai entender. Eu hein.

direto da horta

maio 12, 2008

cebolinha

Acabei de colher e picar. Tá esperando para mergulhar numa sopa que vai rolar no almoço. Pois é, com o frio que está por aqui, nada melhor do que uma sopa quentinha. Me aguardem.

maio 6, 2008

Eu gosto de berinjela, de pimenta e de leite de coco, então, quando vi essa receita – Berinjela com Leite de Coco à Moda do Caribe – num livro (O Grande Livro de Receitas de Claudia) que ganhei da minha querida sogrinha, achei que a combinação tinha tudo pra dar certo. E realmente deu. Fica um prato de paladar muito suave, mas com um toque picante dado pela pimenta. Na verdade, até achei que a pimenta “gritou” demais, como diria a Dadi, e da próxima vez colocarei menos.

Fiz a receita assim (digo isso porque raríssimas vezes sigo uma receita tintim por tintim): num refratário entremeei camadas de 3 berinjelas pequenas e 2 cebolas também pequenas, ambas cortadas em fatias finas. Salpiquei cada camada com um pouco – pouco mesmo! – de sal e de pimenta-do-reino branca. Camadas feitas, misturei 1 vidro pequeno de leite de coco com 1 xícara de leite de vaca e verti sobre elas. Por último, polvilhei com a 1 pimenta dedo-de-moça picada beeemmm miudinha. Cobri com papel alumínio e levei ao forno preaquecido pelos 45 minutos que a receita mandava. Depois retirei o papel e assei por mais 5 minutos. Acredito que esses 5 minutos adicionais sejam para secar um pouco o caldo que fica no pirex. É um prato mais gostoso do que bonito, ainda assim resolvi colocar a foto. Os amantes de berinjela, com certeza, vão gostar!

A receita do livro é essa aqui:

Berinjela com Leite de Coco à Moda do Caribe

1 berinjela grande cortada em rodelas finas

3 cebolas cortadas em rodelas finas

1 xícara de leite de coco

1 xícara de leite

1 pimenta dedo-de-moça, sem as sementes, bem picada

Coloque as fatias de berinjela numa forma refratária rasa. Por cima, disponha os anéis de cebola. Salpique com sal e pimenta. Misture o leite de coco e o leite e despeje sobre a cebola. Polvilhe com a pimenta picada. Cubra com papel alumínio e asse em forno preaquecido moderado (180°C) por 45 minutos. Retire o papel e asse por mais uns cinco minutos.

Rende 4 porções

Hello world!

abril 30, 2008

Welcome to WordPress.com. This is your first post. Edit or delete it and start blogging!

adoooooooro pimenta, e você?

abril 30, 2008


Por que será que a gente tem preferência por determinados sabores e alimentos?

Eu amo os sabores picantes, cítricos e ácidos, todos eles, sem exceção.

E você?

…e a gente segue tentando…

abril 25, 2008

Ontem, durante uma ida ao supermercado com minha caçula, fui alertada por ela de que foram encontrados níveis alarmantes de contaminação por agrotóxicos em tomate, alface e morango. Depois da triste notícia, a pequena arrematou com o seguinte comentário:

“mãe, cê tá ferrada, né? não vai mais poder comer aquela saladona todo dia antes do almoço…bom, pelo menos a gente não vai ter mais que esperar tanto tempo pra você acabar sua comida!!”

Acho que eu e uma enorme quantidade de adeptas da alimentação saudável estamos ‘ferradas’. Confesso que fiquei bem chateada com a notícia. Já estou dando tratos à bola para solucionar o problema…se pelo menos eu conseguisse ser bem sucedida nas minhas plantações de alface americano…

Estou aberta a sugestões, ok? Como vocês pretendem resolver esse tipo de pepino???

Abaixo a notícia que vi, agora há pouco, no Vieiras & Trufas, da Nádia Lamas.

“A Anvisa alerta: de cada dez pés de alfaces vendidos no país, quatro estão contaminados por resíduos de agrotóxicos como endossulfam, acefato e metamidofós. Outros alimentos que apresentam risco são o morango, com 43,6% de contaminação, e o tomate, com 44,7%.”

abril 25, 2008

123 testando

Aviso aos Navegantes

abril 25, 2008

Update (em 25/04/08): Não sei o que está acontecendo, mas não estou conseguindo visualizar o post. Foi com enorme surpresa e felicidade que vi o comentário da Elvira, sinal de que, pelo menos lá em Portugal, o Brigadeiro está sendo visualizado.

Depois de tanto tempo sem mexer aqui, nem sei bem o que fazer para solucionar esse tipo de problema. Vou continuar tentando enteder o funcionameto do blogger e resolver as coisas por aqui. Desejem-me sorte.

PAZ

abril 24, 2008

Há mais de ano não venho por aqui. Sei que parei o blog sem explicações, o que é uma coisa imperdoável…mesmo assim, peço desculpas. Aos que ainda passam por aqui, o meu abraço e carinho. Espero voltar a postar, mesmo que aos poucos.

Update (em 25/04/08): Não sei o que está acontecendo, mas não estou conseguindo visualizar o post. Foi com enorme surpresa e felicidade que vi o comentário da Elvira, sinal de que, pelo menos lá em Portugal, o Brigadeiro está sendo visualizado.

Depois de tanto tempo sem mexer aqui, nem sei bem o que fazer para solucionar esse tipo de problema. Vou continuar tentando enteder o funcionameto do blogger e resolver as coisas por aqui. Desejem-me sorte.

Purê de Abóbora com Leite de Coco

março 16, 2007

São tantas as coisas gostosas que tenho vontade de trazer pra cá que acabo me perdendo. Já tentei colocar uma ordem nos pratos e receitas para facilitar minha vida, mas quem disse que sou uma criatura disciplinada??? Então, vai ao acaso mesmo! Hoje, ao abrir minhas pastas de fotos (registro de minhas “artes” culinárias), dei de cara com essa receita divina, cuja idéia original é da Katita, do Rainhas do Lar, mas que aprendi com a Dadi.

Desnecessário dizer que vocês precisam ir , porque essa moça ensina receitas como ninguém!!

Precisei fazer algumas adaptações na minha receita, pois não tinha dois dos ingredientes por ela sugeridos em casa. Usei rodelas de cebola no lugar do alho-poró e azeite ao invés da manteiga de garrafa. Acho que fui feliz nas substituições, pois ficou delicioso. No entanto, pretendo fazer com alho-poró da próxima vez, já que apreciso deveras esse alimento. Quanto à manteiga de garrafa, não sei se consigo comprar aqui pelas minhas bandas, mas vou pesquisar.

PURÊ DE ABÓBORA COM LEITE DE COCO
(Dadivosa)

(para o purê)
500 g de abóbora descascada e cortada em cubos
água o quanto baste para cozinhar a abóbora
sal a gosto (usei ½ colher de sobremesa)
2 colheres de sopa de leite de coco de boa qualidade
4 grãozinhos de pimenta-do-reino preta
1 dente de alho pequenininho, acho até que era dente de leite 🙂
1 fiozinho de azeite de oliva
(para a cobertura)
anéis de alho-poró (mais ou menos duas colheres de sopa)
duas colheres de sopa de manteiga de garrafa
flor de sal

  • Leve a abóbora a cozer com a água e o sal.
  • Quando estiver macia, escorra-a. Naquela mesma panela, refogue o alho esmagadinho até dourar. Ponha de volta a abóbora e mexa com a colher de pau.
  • Se a abóbora for de qualidade e você tiver a paciência de aguardar uns 15 minutos para que ela amacie, o simples mexer com a colher já vai transformá-la em purê.
  • Acrescente a pimenta.
  • Lembre-se de mexer de quando em quando para não agarrar na panela.
  • Enquanto isso, numa frigideirinha, aqueça metade da manteiga de garrafa.
  • Na manteiga de garrafa aquecida, refogue os anéis de alho-poró. Salgue com flor de sal e reserve.
  • Desligue o fogo da abóbora, incorpore o leite de coco e prove.
  • Transfira essa maravilha para uma vasilha que vá à mesa, coroe com o alho-poró refogado, dê mais um toquinho de flor de sal, regue com a manteiga de garrafa restante e delicie-se.
  • Rende aproximadamente uma xícara e meia de purê.